Fundamentação Científica

A fundamentação científica adotada pelo Instituto Modal estrutura-se a partir da Metodologia de Metamodelagem (M3) originalmente proposta por Van Gigch e Pipino (1986), desenvolvida como arcabouço metodológico para a Arquitetura da Informação pela equipe de pesquisadores do Centro de Pesquisa em Arquitetura da Informação (CPAI) da Universidade de Brasília (UnB). A opção por esse método dá-se ao fato de que a M3 mostra-se adequada para compreender objetos científicos e aplicá-los em processos de inovação. A M3 baseia-se em três níveis de análise:

  • Nível epistemológico, estratégico ou de meta-modelagem: representa o quadro conceitual e metodológico de determinada comunidade científica. Busca investigar a origem do conhecimento da disciplina, justificar seus métodos de raciocínio e enunciar sua metodologia.
  • Nível científico, tático ou de modelagem: nível de desenvolvimento de teorias e modelos utilizados para descrever, explicar e prever os problemas e suas soluções.
  • Nível prático, operacional ou de aplicação: nível de solução de problemas da ‘vida real’, para os quais se aplicam as teorias, modelos, técnicas e tecnologias idealizadas nos outros níveis.

A Figura 1 ilustra a hierarquia de sistemas de investigação científica e suas inter-relações, de acordo com a M3. As questões epistemológicas são formuladas a partir de insumos da Filosofia da Ciência, por um lado, e dos níveis científico e prático por outro. Do mesmo modo, as investigações científicas do nível intermediário recebem insumos tanto em forma de paradigmas, determinados a partir de questões epistemológicas, quanto em forma de evidências que emergem do nível prático. As questões práticas, por sua vez, recebem como insumos as teorias e modelos do nível científico e as soluções para os seus problemas.

Figura 1: Metodologia de Metamodelagem (M3)

Fonte: adaptada de Van Gigch e Pipino (1986)

A Metodologia de Metamodelagem pretende:

  • integrar as diferentes perspectivas associadas a um dado paradigma;
  • produzir direcionamentos viáveis de pesquisa;
  • fornecer base para a análise comparativa de seus objetos de estudo; e
  • formular fundamentos sólidos para a compreensão do fenômeno com vistas a apoiar sua prática.

A M3 permite fundamentar abordagens científicas aplicadas a processos de inovação, aproximando a academia às necessidades do dia-a-dia do mercado, do governo e das pessoas. Ao aplicar esse modelo, o Instituto Modal consegue resultados concretos e com forte embasamento metodológico, o que leva a melhoria das oportunidades de sucesso de seus projetos.

Referências:

  • Araujo, Lauro César. “Uma linguagem para formalização de discursos com base em ontologias”. Tese / Thesis, Universidade de Brasília, 2016. http://repositorio.unb.br/handle/10482/19319.
  • Costa, Ismael de Moura, e Mamede Lima-Marques. “MAIA – Método de Arquitetura da Informação Aplicada”. Informação & Informação 22, no 1 (19 de junho de 2017): 60–87. https://doi.org/10/gdz5m8.
  • Costa, Ismael M. “Um método para Arquitetura da Informação: fenomenologia como base para o desenvolvimento de arquiteturas da informação aplicadas”. Dissertação (Mestrado em Ciências da Informação e Documentação), Universidade de Brasília, Faculdade de Ciência da Informação, 2010. http://repositorio.unb.br/handle/10482/7087.
  • Gigch, John P. van, e Leo L. Pipino. “In Search of a Paradigm for the Discipline of Information Systems”. Future Comput. Syst. 1, no 1 (outubro de 1986): 71–97. http://dl.acm.org/citation.cfm?id=6853.6857.
  • Lacerda, Flavia, e Mamede Lima-Marques. “Da necessidade de princípios de Arquitetura da Informação para a Internet das Coisas”. Perspectivas em Ciência da Informação 20, no 2 (30 de junho de 2015): 158–71. https://doi.org/10/gdz5vh.
  • Lacerda, Flavia, Mamede Lima-Marques, Flavia Lacerda, e Mamede Lima-Marques. “Information ecosystems: New paradigm for Information Architecture”. Transinformação 29, no 1 (abril de 2017): 81–90. https://doi.org/10/gdz5m7.
  • Lima-Marques, Mamede. “Outline of a Theoretical Framework of Architecture of Information: A School of Brasilia Proposal”. In Logic without Frontiers. Festschrift for Walter Alexandre Carnielli on the Occasion of His 60th Birthday. -. London: College Publications, 2011.
  • Lima-Marques, Mamede, e Walter Alexandre Carnielli. “Formal Aspects of Architecture of Information”. In Logical Reasoning and Computation: Essays Dedicated to Luis Fariñas Del Cerro, organizado por Pedro Cabalar, Martín Diéguez, Andreas Herzig, e David Pearce, 1o ed, 33–42. Paris, 2016.
  • Macedo, Flávia Lacerda Oliveira de. “Arquitetura da informação: aspectos epistemológicos, científicos e práticos”. Dissertação (Mestrado), Universidade de Brasília, 2005. http://cogprints.org/10349/.
  • Macedo, Flávia Lacerta Oliveira de, e Mamede Lima-Marques. “Information Architecture as a Discipline”. In Reframing Information Architecture, organizado por Andrea Resmini. Human-Computer Interaction. Switzerland: Springer International Publishing, 2014. http://www.springer.com/gp/book/9783319064918.
  • Siqueira, André Henrique. “Arquitetura da informação: uma proposta para fundamentação e caracterização da disciplina científica”. Doutorado, Universidade de Brasília, Faculdade de Ciência da Informação, 2012. http://repositorio.unb.br/handle/10482/12157.
  • Siqueira, André Henrique de. “A lógica e a linguagem como fundamentos da arquitetura da informação”. Dissertação / Dissertation, Universidade de Brasília, 2008. http://repositorio.unb.br/handle/10482/3185.