Pesquisar pra quê?

A Terra é plana. A espécie humana jamais chegou à Lua. Doenças e catástrofes são atos de uma divindade vingativa. E a ciência é uma invenção de quem não tem fé em nada.

Estamos em uma época de verdadeiros milagres – mas não do tipo religioso. Nos últimos 50 anos, o conhecimento humano se multiplicou em progressão geométrica, alcançando volumes imensuráveis e quiçá incompreensíveis para qualquer indivíduo de maneira isolada. Aliás, talvez até mesmo para a sociedade como um todo. E tudo isso é resultado da fé – não aquela fé em uma religião, mas fé na ideia de que a capacidade de compreender o universo é factível e pode ser alcançada através de métodos claros, objetivos e reprodutíveis. E isso tem um nome: Ciência.

Ciência e Método Científico

Uma definição possível de Ciência ancora-se na referência a qualquer conhecimento ou prática sistemáticos, ou seja, fundamentados em um método específico utilizado para a aquisição desse conhecimento ou prática – nesse caso específico, utiliza-se o chamado “método científico”, que gera como resultado um corpo organizado de conhecimentos conseguidos através de pesquisas.

Mas a coisa não é tão simples.

Na verdade, a Ciência não utiliza um único “método científico”, mas vários. As Ciências Humanas adotam o positivismo, a fenomenologia, a dialética… As Ciências Naturais recorrem com frequência ao empirismo e ao reducionismo, mas também utilizam outras abordagens, como o método hipotético-dedutivo e outros. A Filosofia é um caso a parte: Bertrand Russell chegou a afirmar que “Ciência é o que você sabe. Filosofia é o que você não sabe.”.

É relativamente comum que o recém-pesquisador, ou seja, pessoas que começam a navegar pelo mundo (quase) mágico da Ciência, tenha certa dificuldade em compreender o que de fato é o método científico. Quem tenta navegar no universo de métodos disponíveis sem o acompanhamento de um pesquisador veterano acaba se perdendo nos diferentes emaranhados disponíveis para o corpo científico. Além disso, existe uma ideia propagada pelo modelo educacional que confunde método científico com metodologia científica e associa ambos com regras de formatação de textos científicos – algo que não tem nenhuma relação com a Ciência!

Mas nem tudo está perdido, jovem pesquisador!

O conceito generalizado de método científico pode ajudar a encontrar o fio de Ariadne e navegar com alguma segurança nesse labirinto: o método científico é o conjunto de regras básicas dos procedimentos que produzem conhecimento científico em um campo específico. Ou seja, um determinado “jeito de fazer as coisas” (regras básicas dos procedimentos) é considerado científico quando aceito pela comunidade científica daquela área como sendo eficaz para a formulação e comprovação (ou refutação) de teorias.

E isso leva a um erro relativamente comum, jovem pesquisador: a mistura de alhos com bugalhos, que acontece quando se utiliza um método científico aceito em um determinado campo em outro (usar métodos do campo da Física para obter resultados em Comunicação Social, por exemplo). Essa receita não costuma dar certo.

O que se ganha com a Ciência e o Método Científico

Ganhamos a certeza de que a Terra é redonda. Fomos à Lua e, num futuro próximo, iremos a Marte e talvez a outros planetas. Erradicamos a maioria das doenças e conseguimos minimizar os prejuízos das catástrofes porque compreendemos como se formam e podemos evitá-las ou tomar providências antecipadamente. E o mais importante: ganhamos a certeza de que (quase) tudo é possível, especialmente aquilo que podemos sonhar – isso é fé, por sinal.

De forma direta, simples e objetiva: ganhamos respostas qualificadas.

Isso significa que a Ciência, através do método científico, busca responder perguntas sobre diferentes assuntos, fundamentadas no corpo de conhecimentos construídos ao longo da história e aceitos como as melhores explicações para os fenômenos do mundo.

E talvez essa seja a característica mais interessante da Ciência e a resposta para o título dessa postagem: a Ciência procura dar respostas. Mas para isso, é necessário que se façam perguntas.

O que você quer descobrir hoje? O que quer aprender? Como usar alguma coisa para mudar a sua vida, a sua cidade, o seu país, o seu planeta?

Ciência é uma boa resposta – talvez a melhor que a espécie humana produziu até hoje.

Sugestão de leitura:

Introdução à filosofia da ciência, por Alex Rosenberg.
Edições Loyola, 2ª ed. (31 de julho de 2009). ISBN-13: 978-8515017201

Bruno Souza é bacharel em Comunicação Social pelo Centro Universitário de Brasília, Especialista em Gestão de Negócios pela Fundação Dom Cabral e Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é Diretor Técnico no Instituto Modal.

Posted in Inovação and tagged , , , , , , .

Leave a Reply